20070929

, ,

Ele, pra mim, são eles.
Eles
, pra mim, somos nós.

20070928

Estas coisas são reais.

E não é coisa de entender, e não precisa ser. O melhor de ser real é ser simples. Como espuma de mar ou de suco, encontrar-se só sobre. Quão espessa essa espuma dura, e leve: leve de sonho. Tão leve que te pede, que te dura até os sons mais baixos e as cores mais claras: tão frias que aquecem teus lábios e tua pele em mim.

20070920

Paula diz:

ah! ah! ah! a la queuleuleu
ah! ah! ah! a la queuleuleu ah! ah! ah! a la queuleuleu
ah! ah! ah! a la queuleuleu ah! ah! ah! a la queuleuleu
ah! ah! ah! a la queuleuleu ah! ah! ah! a la queuleuleu
ah! ah! ah! a la queuleuleu ah! ah! ah! a la queuleuleu
ah! ah! ah! a la queuleuleu ah! ah! ah! a la queuleuleu
ah! ah! ah! a la queuleuleu ah! ah! ah! a la queuleuleu
ah! ah! ah! a la queuleuleu

20070919

VAI

Vomita esse corpo que não te pertence!

20070918

um asco, dois ascos

Vi que este pó é tão igual a todos os outros pós quanto qualquer pó que me faz espirrar. Grudas este teu pó longe de mim que dele tenho asco.

melhor tão melhor tão tão melhor tão melhor tão

tão melhor tão melhor tão tão melhor tão melhor tão

O INFERNO É MAIS QUENTINHO

O INFERNO É MAIS QUENTINHO
O INFERNO É MAIS QUENTINHO
O INFERNO É MAIS QUENTINHO
O INFERNO É MAIS QUENTINHO

14 Esperar

Ilusão, Estado de
1 Paixão aleatória 2 Correr e não alcançar nunca 3 Pegar o vento por fora da janela do carro 4 Tontura 5 Vomitar e engolir a saliva amarga 6 Engolir falas de angústias 7 Feridas que não doem, cicatrizam 8 Mágoas esquecidas 9 Felicidades esquecidas 10 Lembranças 11 Amar 12 Esperar 13 Não ter medo

Dorme, que a vida é nada!

Dorme, que tudo é vão!
Se alguém achou a estrada,
Achou-a em confusão,
Com a alma enganada.


Fernando Pessoa

20070917

20070916

Acordei na espera de um presente,

entre melancolia e vazio, entre pausa e enjôo, entre meu sonho e a saudade que tenho dele.

Prestes a chutar o balde, ser livre para partir para o próximo balde e me afundar nele.
Talvez me surpreenda.

20070915

MUNDO IMUNDO

20070914

Janelas significam muito pra mim,

e a minha, pra muitas janelas: imensamente intensa.

Crua,

não sei mais o que é ser alguém. Não trocaria minha sexta pra ficar com uma enxaqueca. Por ela não ser nada: ser crua. Deixar-me nua a vomitar insônia.

_Voltaste assim, tão de repente, tão sem sentido, que não pude entender mais se tinhas, antes, me perdido de vez.

Certamente, nesta loucura toda, nesta janela imunda, só me resta a imensa vontade de estar com as estrelas e não ser mais nada neste mundinho; voltar pra lá, pra não voltar mais pra mim. Ser-me de novo o que era.

Não vale a pena estar entre o gesto nenhum e a dor que nasce e acaba, e sempre assim, com pequenas felicidades.

Vou sentar-me comigo, na minha cama, com a minha alma traiçoeira - porque nem a ela inspiro confiança -, fazendo-me carinho durante a noite, frente a sujeirada da vida.

_Como este lixo todo veio parar no meu coração?

Na distância entre minha vida e eu, na minha ausência, só consigo ver-me afogada em um lindo e verde oceano de lágrimas.

_Porque, nessas lacunas, as coisas costumam ser assim: feridas ácidas e imperdoáveis.

Falta-me não pensar que não me sou; mesmo que amarga de tanto - e prazeroso - vômito.

(Mais um soluço e mais um vômito de palavras e angústias.)

GLU GLU GLU

ABRAM ALAS PRO PERU!
O PERU VEIO À PASSEIO, PENSANDO QUE ERA PAVÃO,
TICO-TICO RIU-SE TANTO QUE MORREU DE CONGESTÃO.

Vinícius de Moraes
Escrevo por lapsos de cansaço.

Fernando Pessoa

20070913

E foi isso: tirei o dia para comer morangos.

O dia se fez uma delícia. De mar, de brisa, do meu doce cacau; até os objetos em silêncio faziam-se deliciosos. Teu toque, minha pele, o rosto de quem passa e olha. É uma loucura imensa ser feliz assim; não só o vinho, mas também a uva. Quem me sonha como eu te sonho está no outono, num caminho de folhas secas e flores de tons vermelhos e aveludadas. Caiste na minha vida assim como o vento, porque de ar fizeste meu caminho feliz.

20070911

mais uma quase-fala nestas palavras tão, mas tão, indizíveis

nonsensezinho

Rodrigo rip:

um pacto é um acordo entre um pato e um cacto

Pela segunda vez

fico presa numa roupa. A primeira foi menos angustiante que essa última, a de hoje e de nunca mais. Coisa mais ruim não ser livre de um pedaço de pano qua mal te conhece e já toca teu corpo sem querer deixá-lo. E te agarra, te prende, te envolve de maneira a grudar na tua alma. Quero ser livre disso, sensação horrorosa: mexer os dedos esticados e olhar no espelho com a face avermelhada, o calor, a respiração cada vez mais e mais ofegante, como se tivesse correndo voltas e não chegando a lugar algum, subindo um morro gigante, fugindo disso que prende e sufoca.

Deixa eu ser livre, vestido verde! Não te quero mais no meu corpo.

eu pálida

20070909

Nesta vida tão doce,

um copo bem cheio d'água.

De repente do rio fez-se o pranto

Silencioso e branco como a bruma
E das bocas unidas fez-se a espuma
E das mãos espalmadas fez-se o espanto
De repente da calma fez-se o vento
Que dos olhos desfez a última chama
E da paixão fez-se o pressentimento
E do momento imóvel fez-se o drama
De repente, não mais que de repente
Fez-se de triste o que se fez amante
E de sozinho o que se fez contente
Fez-se do amor próximo, distante
Fez-se da vida uma aventura errante
De repente, não mais que de repente


Elis Regina e Tom Jobim
tempo lindo de morrer
morre tempo, morre

Desde que possamos considerar

este mundo uma ilusão e um fantasma, poderemos considerar tudo que nos acontece como um sonho, coisa que fingiu ser porque dormíamos. E então nasce em nós uma indiferença sutil e profunda para com todos os desaires e desastres da vida. (...) Um pouco de sol, um pouco de brisa, umas árvores que emolduram a distância, o desejo de ser feliz, a mágoa de os dias passarem, a ciência sempre incerta e a verdade sempre por descobrir... Mais nada, mais nada...

Fernando Pessoa

(O)) que eu mais quero aqui é sair daqui.)

O ar pra lá é, de um tanto de muitos que aqui não sobraram restos, mais doce. A boca cheia de ar, cheia de doce, cheia de angústia de não deixar escapar estes desejos de algodão. Doce. Minha janela tem tanto sentimento quanto esta brisa gélida, eu pálida e o céu azul-céu. Diante da minha vista, quase uma lembrança boa daquelas manhãs em que eu acordava, olhava pra baixo, olhava pra cima, pro céu e pro calor das vidas que eu tanto amava, e por minha razão, só amaria à elas. Eu permanecia alguns instantes estática, com os olhos cerrados e a boca a fim de desmaio, pensamentos nulos, ocupados por sensações daquilo que eu chamava de praia. E, equivocadamente, eu me enganava. Estava apenas na vida, na ida pra bem longe.

20070906

Uma inquietação enorme

fazia-me estremecer os gestos mínimos. Tive receio, de endoidecer, não de loucura, mas de ali mesmo. O meu corpo era um grito latente. O meu coração batia como se falasse.

Fernando Pessoa

Bactéria arredondada, ninho de sabiá.

Bactéria arredondada, ninho de sabiá.
Bactéria arredondada, ninho de sabiá.
Bactéria arredondada, ninho de sabiá.

20070904

salamaleques

20070903

tempo

Consigo sentir o cheiro da minha casa, a fumacinha da chaleira embaçando o óculos logo de manhã, café quentinho, geléia de morango, a Mini olhando minha bolacha àgua e sal tão profundamente quanto minha vontade de não acordar mais, quanto a minha vontade de voltar a ser criança e andar de cecisinha rosa pela rua Acre.

Meu nó tá nu.

Meu nó tá nós.

electricity

one source of energy the ultimate discovery electric blue for me never more to be free electricity nuclear and h.e.p carbon fuels from the sea wasted electricity one source of energy electricity all we need to live today a gift for man to throw away the chances has nearly gone the alternative is one final source of energy solar electricity electricity electricity electricity electricity electricity electricity

nofx

20070902

1 Inflamação no encéfalo;

2 Andar devagar;
3 Ver através da névoa.
a noite
me pinga uma estrela no olho
e passa


Paulo Leminski
Li: Decúbito Ventral

Rascunho.

Exatamente nesta noite, a vontade imensa que me consome pouco a pouco me jogará no chão, expremendo até a última gota de loucura que me resta para sair daqui. E com os olhos violentamente fechados, eu enxergarei muito mais do que tenho observado de mim, nos meus últimos instantes. Seja como for, não sobrará ninguém a quem eu tenha que me desculpar ou dar satisfações. Enchi-me, então, de ar; tanto ar quanto o sufoco de não tê-lo mais. Procuro cansalvelmente voltar para a minha vida, essa já me bastou de agonias e sufocos. Eu quero a minha mãe, tudo porque sou uma caçula gordinha e mimada.